IC NÃO CONFIRMA PRESENÇA DE TRATOR OU MÁQUINA NA PISTA QUE TERIA PROVOCADO O ACIDENTE DOS ÔNIBUS ESCOLARES EM ALAGOAS - CLÁUDIO ANDRÉ - O POETA

Publicidade

test banner

Ultimas!

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

sábado, 1 de abril de 2017

IC NÃO CONFIRMA PRESENÇA DE TRATOR OU MÁQUINA NA PISTA QUE TERIA PROVOCADO O ACIDENTE DOS ÔNIBUS ESCOLARES EM ALAGOAS

Por Aarão José
Peritos do Instituto de Criminalística (IC) de Alagoas que periciaram o local do acidente entre dois ônibus escolares em um trecho da rodovia AL-110 afirmam que os vestígios analisados no local permitem indicar a causa determinante do acidente. A invasão da contramão pelo ônibus que seguia para São Sebastião foi o fator preponderante da colisão que vitimou fatalmente seis pessoas.


Sobre a dinâmica do evento, a perita criminal Suely Mauricio — que realizou os trabalhos iniciais no local com a perita Miriam Regina Braga — explicou que a ausência de marcas de frenagem na pista leva a entender que a manobra irregular foi tão rápida e inesperada que os condutores não tiveram tempo de acionar os sistemas de freio ao ponto de bloquear as rodas. 

Outro elemento descoberto durante o exame foi a tentativa do motorista do ônibus que estava na mão correta em desviar da colisão. Ele teria puxado o seu veículo para o acostamento, buscando evitar uma colisão frontal total. O impacto maior foi no lado esquerdo, onde fica a poltrona dos condutores. A magnitude e a localização dos danos prejudicaram a análise do sistema de dirigibilidade dos veículos. 

Sobre a informação de que um trator poderia ter sido o elemento que provocou o desvio do ônibus para a pista contrária, a perita disse que não foram encontrados vestígios que indicassem a presença de veículo parado ou qualquer outro obstáculo que pudesse impedir o tráfego normal no trecho examinado, obrigando o ônibus a invadir a faixa de sentido contrário e provocar o acidente. 

“A perícia criminal trabalha com elementos materiais, não com a subjetividade, cabendo à Polícia Civil ouvir o depoimento de testemunhas e de sobreviventes para confirmar ou não essa hipótese. 
Nós, peritos criminais, até ouvimos o que é dito no local, mas somente para estudar  a viabilidade técnica, analisando os elementos materiais e verificando se eles corroboram ou não com o que está sendo dito por supostas testemunhas", afirma. 

O conjunto de tacógrafos, dispositivo utilizado para monitorar veículos, de ambos os ônibus foram recolhidos pela equipe para análise na sede do IC.  
Esse exame complementar será realizado para saber o tempo de uso, a distância percorrida e a velocidade desenvolvida antes e durante o acidente. Entretanto, segundo Suely, ainda será verificado se os equipamentos estavam em situação regular, conforme o Código de Trânsito Brasileiro e demais normas regulamentares. 

Suely Maurício ainda fez um alerta à população em casos de acidentes dessa natureza, de alta complexidade e com muitas pessoas envolvidas, após garantir o salvamento das vítimas, o local deve ser completamente isolado. Diferentemente do que foi feito nesse caso, em que o local do acidente foi invadido por curiosos que queriam gravar imagens e vídeos das vítimas, contribuindo para a alteração de alguns vestígios.

A perita explicou que, agora, o exame pericial entra em outra fase, onde todos os dados e o vasto levantamento fotográfico serão analisados com calma. Um trabalho complexo, que demanda tempo e envolve exames complementares. 

Essa parte que antecede o laudo final busca uma resposta para os possíveis fatores que contribuíram para o comportamento do condutor em invadir o sentido oposto da via. Um animal, falha mecânica, humana, um outro veículo? Todas essas hipóteses serão analisadas.

“O levantamento no local é apenas o início da análise do fato. O trabalho da perícia em casos dessa natureza, acidente de trânsito, tem como objetivos principais estabelecer a dinâmica do evento e a sua causa determinante. 

No caso de São Sebastião, identificar a conduta ou condição sem a qual o acidente não teria ocorrido. Ficou claro que foi a invasão da contramão”, afirmou a perita, que espera concluir o laudo em 30 dias.

O acidente
Seis pessoas morreram em um acidente entre dois ônibus escolares na noite da quinta-feira (30), em um trecho da AL-110, no município de São Sebastião. Os veículos são das prefeituras de Junqueiro e de Teotônio Vilela. 


De acordo com a Polícia Militar, testemunhas relataram que um dos veículos voltava da cidade de Arapiraca e seguia para Teotônio Vilela, quando colidiu frontalmente com outro ônibus escolar que seguia de Junqueiro para Arapiraca.

No momento da colisão dos ônibus escolares, cinco das vítimas tiveram morte instantânea e uma sexta vítima não resistiu aos ferimentos e veio a óbito na madrugada desta sexta-feira, na unidade de emergência, em Arapiraca. No total, quatro pessoas que morreram eram do município de Teotônio Vilela e outras duas da cidade de Junqueiro.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE