O AÇUDE DA NAÇÃO por Alexandre Tenório - CLÁUDIO ANDRÉ O POETA

Publicidade

test banner

Ultimas!

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

O AÇUDE DA NAÇÃO por Alexandre Tenório

A construção do novo AÇUDE DA NAÇÃO foi um sonho pela metade, isto porque a sua capacidade ficou 25% a menos que a capacidade do velho AÇUDE. 

Sabemos que o novo AÇUDE ficou dentro dos padrões de engenharia, ou seja, paredão de concreto, onde a água cai diretamente no paredão, também ficou com comportas que cumprem o papel de vasão dentro da sua capacidade. 
Porém não foi feito o desassoreamento da lama e barros colocados para fazer um paredão interno. 

Com mais um ano de seca o nosso glorioso AÇUDE secou, se tivesse com sua capacidade anterior ainda tínhamos 25% de água. 

Se tiver uma coisa urgente e necessária em nosso município neste momento é a dragagem desta lama que o AÇUDE acumula. Temos de aproveita urgentemente o momento para fazer este trabalho. 

O senhor prefeito do município aliado do governado Paulo Câmara e tendo como candidato a deputado federal o secretário Danilo Cabral, tem obrigação de conseguir uma patrulha mecanizada para este trabalho. 

Recentemente esteve em minha loja o amigo Fernando Tenório que esteve com o governador Paulo Câmara e comentou o assunto no que o governador que se prontificou para limpar o AÇUDE, era necessário o governo municipal entrar em contato e ver a sua contrapartida neste projeto.
 
O senhor Audálio Ferreira no seu primeiro mandato - por conta própria fez a limpeza do AÇUDE, retirando duas mil caçambas de barro e com este barro aterrou aonde hoje é a AVENIDA TENENTE RAUL DE HOLANDA, aterrou toda RUA MANUEL BANDEIRA e aterrou aonde hoje é o PARQUE JOSÉ FELICIANO. 

Queremos sugerir ao senhor prefeito que o barro retirado do AÇUDE, seja usado para fecha às duas cabeceiras da ponte que Audálio Ferreira iniciou e não terminou, ligando a Rua Conselheiro João Alfredo e a COHAB II, como também para aterrar o lugar onde os CIRCOS ficam instalados na Rua Capitão Lizimaco. 
Esperamos realmente que esta demanda seja resolvida. 
*Alexandre Tenório: Escritor, historiador e médico veterinário

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE